#  DESTAQUES  #





















CAMP Safety :: PROJECTO « anterior
SOSPESI 2

TRAUMA DE SUSPENSÃO: O PROJECTO "SOSPESI"

Relatório dos resultados da segunda fase em PDF

 

A C.A.M.P. e a Universidade de Milão Bicocca (Departamento de Ciências da Saúde, Fisiologia Clínica e Centro de Desporto) colaboraram no projecto de investigação "SOSPESI"*, relativo à possibilidade de ocorrência de síncope em trabalhadores que usem um harnês.

A síndrome de suspensão pode ocorrer em qualquer indivíduo como resultado de uma suspensão inerte num harnês e é causada por um fenómeno conhecido na fisiologia humana como "intolerância ortostática": numa posição vertical estática, há acumulação de sangue nos membros inferiores, na pélvis e no abdómen, com consequente diminuição do retorno de sangue venoso ao coração. Um retorno de sangue venoso reduzido resulta numa diminuição no débito cardíaco e desta forma numa condição de défice de oxigenação cerebral, cardíaca e renal. A síncope devida a este fenómeno pode durar cerca de 30 minutos (valores médios, verificados no grupo experimental do projecto SOSPESI, em 40 indivíduos), e se a pessoa não for resgatada num período curto de tempo, morrerá de hipóxia multivisceral.

Também verificámos, através do métodos de espectroscopia de infravermelho próximo, que as perneiras dos harneses não são responsáveis pela obstrução do retorno de sangue, mas é a posição ortostática e inerte que causa a falha do retorno do sangue ao coração. No entanto, o conforto do harnês é um factor importante de precipitação dos eventos despoletados nas pessoas durante um evento de síncope.

Após termos verificado que algumas variáveis podem influenciar o início da síncope por suspensão inerte (tempo de suspensão, temperatura ambiental, pressão sanguínea) na primeira fase do projecto, tentámos identificar as características de um harnês que podem prolongar a duração da suspensão em condições de trabalho.

Testes de suspensão passiva foram levados a cabo em 2 modelos existentes de harnês (Golden Top Evo e Access) e num protótipo estudado em colaboração com o Centro de Desporto e Fisiologia Clínica, avaliando um número de parâmetros médicos e analisando o conforto percebido pelos testadores. A escolha de um harnês deve então considerar conforto nas seguintes áreas: inguinal (construção, amplitude, preenchimento), lombar (suporte possível), dorsal (construção que não limite a excursão fisiológica dos músculos respiratórios), latero-cervical (que não cria qualquer compressão no pescoço onde os vasos sanguíneos carotídeos correm).

NOVO harnês GT SIT e GT Chest

Os resultados deste estudo ajudaram o nosso centro de Investigação e Desenvolvimento a criar os novos harneses GT Sit e GT Chest: a construção das perneiras ao nível inguinal, as características do cinto e a forma do acolchoamento peitoral foram desenhados para aumentar dramaticamente o conforto do trabalhador.

Pedir informações sobre o novo CAMP Safety harnês GT Sit